segunda-feira, 19 de novembro de 2018

YOUTUBE ACIMA DE TUDO


A água está batendo na bunda do Youtube gamer, ficou insustentável não falar mais de política. O problema? Nunca foi construído um ambiente para o debate, e a caixa de comentários sempre esteve aberta para a militância fascista ou criptofascista. A direita não precisa falar abertamente - reforçar o status quo é mais fácil que desafiá-lo - mas a esquerda precisa. Esse espaço sempre foi negado para a esquerda e o antifascismo no videogame. A esquerda não é passável como "zuera", ela tem limites que são estabelecidos por um suposto isentismo. É impossível para a esquerda apresentar-se como neutra, assim como faz a direita oportunista em comunhão com um reacionarismo que se promete silencioso. "Deixe a esquerda longe e nós ficaremos quietos." Lembram que o Bolsonaro não foi aos debates? Pois então. Perde-se milhares de inscritos bolsonaristas e não se vê o problema que era tê-los - o problema é perdê-los.

Mas por que essa conversa está aparecendo agora, em espaços como o canal do Velberan que são normalmente pautados por essa "neutralidade"? Acontece que o lugar de centro é sempre relativo, e é mais fácil se deslocar dele quando os extremos determinam os termos da conversa. Em tempos de pós-verdade esse deslocamento é especialmente fácil. Quem critica Bolsonaro - mesmo tendo aberto o voto nele - vira comunista e isso dói no ouvido de quem achava que comunismo era palavrão. Quer dizer que eu, um ponderado, um neutro, posso ser o vermelho torturado nas bravatas do mito. Primeiro levaram eles, depois levaram a mim.

Gamers: ouçam a esquerda ou abracem o capeta. Vocês elegeram Hitler.

CULPA DO PT

O vídeo do Velberan é um desastre: afirma o tempo todo que não entende de política, que não estuda teoria, que não conhece programas nem candidatos, como que justificando besteiras que possa dizer. Mas diz que assiste jornais e não aguenta mais a "corrupção do PT", esse gigantesco fantasma que a mídia tradicional criou e a internet inflou. Avalia de maneira simplória a crise habitacional, reduz as causas do que ele chama de "o aumento de mendigos" a uma vaga "culpa do PT" sem relacionar fenômenos como a especulação imobiliária, a gentrificação, a precarização das relações trabalhistas e a lgbtfobia (que, sim, expulsa pessoas de casa). Saber essas coisas nos instrumentaliza inclusive para uma crítica mais profunda do PT, que foi um governo de conciliação de classes e não esse comunismo do imaginário antipetista. PT errou justamente por se afastar da esquerda, por fazer um governo alinhado com os interesses da oligarquia estabelecida, paradoxalmente se anulando para se manter no poder. Resultado: no senso comum a esquerda ficou associada ao status quo, mesmo que a melhor crítica do PT esteja à esquerda dele. Foi inventada a ideia louca de que fomos governados pelos comunistas, de que o capitalismo em crise - que produz, entre outras coisas, a crise habitacional - é resultado de um projeto de sociedade comunista dando errado. Velberan é o típico antipetista desinformado que teve sua imaginação política capturada pelo neofascismo bolsonarista.

Mas o que eu achei o mais fascinante de todo o vídeo foi a crítica ao Nando Moura. Nas palavras do Velberan:

O que me incomoda nele é o jeito como ele agride as pessoas desnecessariamente. [...] Ele não vê que um monte de gente que assiste ele pode conhecer algum carinha que é meio vesguinho e vai usar isso aí como força pra zoar o vesgo também.
O "vesguinho" seria o PC Siqueira, mas ele também dá outros exemplos. O interessante aqui é que ele reconhece o poder do discurso, de como uma fala pode autorizar uma ação sem que pra isso precise ser imperativa. O que é exatamente uma das principais críticas dos antifascistas contra Bolsonaro: a validação institucional da sua figura valida também o discurso de ódio que tornou a figura famosa. Isso dá aos seus asseclas a "força para zoar" manifesta em grupos de extermínio e na violência eufórica desorganizada, a exemplo do que houve no período eleitoral. Fica difícil entender a condescendência com Bolsonaro e a contundência com Nando Moura. Velberan parece viver no país Youtube.

4 comentários:

  1. Legal cara gostei do texto e do visual do site não sei se foi o objetivo mas ficou meio retro na minha opinião t

    ResponderExcluir
  2. Acho que é porque o blog é meio retrô mesmo, já tenho ele há quase 10 anos.

    ResponderExcluir
  3. Obrigada pelo post, gostei muito. É triste ver os "isentão" que nunca se interessaram por política dando opinião... Mas tem também aqueles que entram numa de dizer que política não serve para nada e o negócio é cuidar da própria vida e pagar os boleto. Não sei o que é pior...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário, Flávia! Pois é, falta formação política antes de comentar sobre política. Às vezes é até melhor que fiquem quietos.

      Excluir